?

Log in

No account? Create an account
 
 
14 July 2011 @ 03:33 pm
Never let me go  
 





Photobucket

A melhor parte dessa foto, eu acho, fora as lembranças, fora a sua blusa personalizada escrito "Faye", fora o senhorzinho careca ao fundo, é o fato de que ela é de 2006. Eu descobri isso outro dia, reparando em como a gente estava jovem, surpreendendo-me de que não foram só dois ou três anos. É engraçado porque eu me lembro tão bem, tão bem desse dia. De você assustada com a velocidade dos ônibus, querendo tirar foto na praia; das pessoas tentando ganhar dinheiro na frente do bar como se fôssemos turistas. É engraçado porque eu me lembro bem como se fosse ontem, e a minha memória é tão ruim.

Eu esqueço os plots que nós havíamos criado, e onde mesmo tínhamos parado nossa fic? Eu esqueço se já enviei e-mail te respondendo e, quando vou responder, esqueço algo muito importante que tinha pensado ontem e lembrado de você.

Mas, olha só, a gente se conheceu em 2006 e eu ainda me lembro de tudo.

Sabe, em algum lugar dentro de mim eu sinto que envelhecemos tanto desde então. Não sei se naturalmente, se é dessa forma que funciona mesmo, ou se nós fomos nos adequando às responsabilidades e às necessidades que a vida foi nos jogando até estarmos mais ou menos encaixadas nela. Não foram poucas as vezes em que pensei de volta em todos os nossos planos, desde aqueles momentos mais antigos em que não queríamos ter de entrar numa faculdade até os mais recentes que nos levou a apagar todas as nossas fics.

Uma das coisas que mais admiro em você é como você tem tanta paixão pelos seus sonhos.

Não é a questão de realizá-los ou não, é a questão de mantê-los vivos. E não sei se faz sentido misturar uma coisa com a outra, não sei se vou me fazer entender e chegar onde pretendo chegar, mas é a questão de manter vivo, eu acredito, que me faz lembrar de tudo.

É porque eu tenho tanto carinho por você que todas essas memórias existem.

Não digo somente daquele dia, dessa foto em 2006. Digo de todos aqueles dias, de todas as fotos que vieram depois. Das coisas pelas quais a gente tem tanta paixão que não esquece. E às vezes (e talvez eu vá ser bem imbecil agora, pode ter ódio de mim), às vezes eu tenho um medo bem lá no fundo de que as responsabilidades e necessidades da vida venham a sobrepujar as memórias que você tenha de mim. Eu tenho medo em geral de perder pessoas de quem eu gosto muito, talvez porque eu goste muito de tão pouca gente.

Aí quando esse receio bate eu vou ser stalker dos seus blogs só para saber se você está bem, se as pessoas que estão por perto estão te dando a atenção de que você merece. E é meio chato quando eu leio que você teve um dia ou uma semana ruim e não posso bater na porta da tua casa com um engradado de cerveja, mas a intenção existe.

A intenção existe e as memórias e o carinho e esse post tão emocore de aniversário, que eu pretendo ainda fazer por incontáveis anos, com incontáveis acontecimentos. Porque, sabe, você é uma amizade tão importante na minha vida que existe até uma tag só para ela.

Feliz aniversário, cunha. Aliás, mais do que feliz aniversário, feliz vida.

tl;dr: te amo, Faye, parabéns!
 
 
Current Mood: nostalgicnostalgic
 
 
 
just_faye: pic#103484540just_faye on July 15th, 2011 09:51 pm (UTC)
Sabe o mais impressionante? Isso simplesmente já passou pela minha cabeça, como um dia eu poderia magicamente sumir da sua vida ou do seu coração e que nada ia ser como antes. Acho que a gente tem realmente medo de perder quem a gente realmente preza.

E é complicado, porque falar isso uma apra outra torna as coisa smuito profundas e reais e agora eu sei que eu sou importante para você tanto quanto você é para mim. Espero que você tenha essa certeza agora. Nós temos uma grande dificuldade, chamada distância, com uma grande aliada, chamada tempo.

Mas cara, tenha certeza que isso não importa na verdade. Porque você é minha madrinha de casamento (guarda dinheiro, talvez role ano que vem, no final) e porque quando o Renato falou de Europa e afins eu dissE: Não posso ir com você, qdo eu for para a França tenho que ir com a Nandinha. Is our thing.

Eu realmente acho que nossa amizade não existe, porque é mágica, é incompreensível. Eu realmente amo você e por mais tempo que passe, por mais atribulações ou responsabilidades, toda vez que nos falamos é como se esses cinco, é CINCO, anos não tivessem passado. Mas eles passaram, sei lá, é difícil explicar.

Sinto sua falta, mas isso é uma coisa que temos que lidar. E independente de qualquer coisa, no dia do meu aniversário, você foi aquela que, mais um vez, fez sentido e me fez sentir realmente importante para alguém. Ou para o mundo, não importa. Você está aí para mim quando eu preciso, saiba disso. Quero estar para você tb.

Beijos beijos beijos, desculpa a resposta incoerente. A redação tá fervendo aqui e to digitando rápido. HHAHAHAHAHAHAHAHAH